Ah, o interior!

A Voz da Serra

É com essa expressão que uma amiga friburguense da gema, deixa bem clara a sua satisfação de ter voltado a morar e trabalhar em Nova Friburgo. Assino embaixo, naturalmente, afinal eu mesmo me mudei do Rio, em busca de qualidade de vida. Mas o assunto de hoje não é migração urbana e sim a zona rural de nosso município, o interior do interior, se é que posso usar essa expressão.

É com essa expressão que uma amiga friburguense da gema, deixa bem clara a sua satisfação de ter voltado a morar e trabalhar em Nova Friburgo.

Quando ainda era apenas mais um turista, gostava muito de subir pela rodovia RJ-130, a Terê-Fri. Com pouquíssimo trânsito e razoavelmente conservada, permitia fugir do caos das sextas-feiras na Ponte Rio-Niterói e dirigir com segurança e rapidez durante à noite, mesmo aumentando consideravelmente o tempo de viagem.

Uma manhã, bem ali na entrada para São Lourenço, dei de cara com uma enorme plantação de couves-flores, se estendendo até a beira da estrada. Parei o carro na hora para tirar umas fotos e ainda soltei a pérola: “que coisa linda, pena que couve-flor seja tão amarga.” Minha mulher, me olhando como quem tinha acabado de descobrir que o marido é um ET, respondeu no ato: “amarga? Já vi que você nunca provou, é exatamente o contrário!” Achei melhor mudar de assunto…

Pois é, foi o meu primeiro contato com aquela região e sua vocação, a agricultura. Para um carioca de Copacabana, aquilo era o paraíso e juro que cheguei a pensar em largar tudo e comprar um sítio na região para viver da terra, logo eu que jamais plantei sequer plantei um mísero feijão no algodão, na escola primária!

Felizmente o bom senso prevaleceu e me contentei em conhecer lugares sensacionais como os Três Picos, por exemplo, hoje o maior parque estadual do Rio. E olha que chegar lá deu trabalho. Pergunta daqui, erra ali, volta para a trilha acolá, até onde a estradinha de terra permitia a passagem do carro. Daí foi só caminhar para a base da montanha onde, por acaso, um grupo de alpinistas iniciava sua escalada. Aliás, ainda estou me devendo essa parte final do passeio!

****

Outra descoberta fantástica foi o Jardim do Nêgo, no Campo do Coelho. Meu cunhado morava em Nova Friburgo e fez questão de me apresentar ao artista que, confesso envergonhado, não conhecia. Meus caros, vocês não imaginam o susto que tomei quando vi as enormes esculturas nos barrancos, cobertas por uma camada de musgo. Eram pessoas, animais, uma índia, um presépio! A criatividade de Geraldo Simplício, o Nêgo, impressiona.

A propósito, está fazendo trinta anos que o artista se instalou em nosso município. Bem que essa data merecia uma comemoração, não é mesmo? Afinal, entre tantos lugares no Brasil, ele escolheu exatamente Nova Friburgo para criar sua arte.

****

Um belo dia, zanzando à toa lá pelas bandas de Salinas, tanto fizemos que nos perdemos, é claro. Afinal, o GPS ainda era exclusivo das forças armadas norte-americanas e os mapas disponíveis sempre foram muito lacônicos quando se tratava de zona rural.

Não me pergunte como, mas nessa brincadeira acabamos chegando no IBELGA, mais precisamente na Fazenda Escola Rei Alberto I, onde um vigia gentilmente nos ensinou como pegar de novo a estrada principal. Antes de retornar demos uma circulada pela magnífica instalação, que ainda se dá ao luxo de ter ao fundo a imagem solene dos Três Picos e ficamos sabendo (não se esqueçam que eu ainda era um turista) do convênio educacional entre Nova Friburgo e a Bélgica, tornando viável uma completa escola agrícola em nossa terra.

****

No Horto de Conquista, entre bonsais e um delicioso yakissoba servido no restaurante do local, aprendi que não é só São Paulo que tem seus japoneses. Em 1927 o engenheiro agrônomo Tohoro Kassuga chegou em Nova Friburgo com sua família, iniciando o plantio do caqui, fruta até então completamente desconhecida na região. Além das inovações na agricultura, devemos a eles as belíssimas cerejeiras que se adaptaram bem ao nosso clima frio e colorem de rosa todo o município no mês de maio.

A propósito, a Festa das Cerejeiras ou Hanamí, uma tradição da colônia japonesa, se realiza anualmente em um sítio perto de Conquista, festejando com muita dança e comidas típicas a breve floração que anuncia a chegada do inverno. Imperdível, bem como o próprio horto, com suas flores e plantas de todos os tipos e os bonsais, sempre delicados e perfeitos.

****

E tem mais, queridos leitores: a Trilha do Barão, que liga Cascatinha a São Lourenço (com mais ou menos 17 quilômetros de extensão) e daí desce até Cachoeiras de Macacu, tem importância histórica, já que era percorrida a pé por tropeiros e escravos para transportarem o café de suas fazendas na região, ótima para praticantes de trekking e ecoturismo.

O próprio clima, marca registrada de nossa cidade, aqui tem lugar especial, uma vez que as temperaturas mais baixas de Nova Friburgo são registradas pela Estação Meteorológica Automática do INMET, situada perto da base dos Três Picos. A região é a segunda do estado do Rio em formação de geadas e do sincelo, fenômeno meteorológico que congela as gotas d’água, aparentando neve.

É ou não é uma atração?

****

Os parlamentares do Congresso Nacional garantem que todos sabem como começa uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) mas, ninguém se atreve a predizer como ela vai terminar. Com crônicas é a mesma coisa, acreditem. Minha intenção era falar exatamente sobre a óbvia importância econômica da zona rural e sua indiscutível beleza, bem como sugerir uma outra fonte de recursos, o turismo eco rural.

Mas o lado lúdico foi mais forte e acabei me fixando nos pontos que mais me impactaram e olhem que nem citei a Queijaria Escola, Ceasa, Campestre, Vista Soberba e por aí vai. Aliás, vale o conselho: se você não conhece essa região, aproveite os dias ensolarados de inverno para fazer um passeio e descobrir uma Nova Friburgo completamente diferente, com plantações dos dois lados das estradinhas vicinais, sempre protegidas pelos Três Picos.

Ah, o interior! Nova Friburgo, ainda bem, continua linda!

Foto: Carlos Emerson Junior

2 comentários em “Ah, o interior!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s