Fantasmagórico

O escritor e jornalista Ruy Castro, falando sobre a indiscutível praticidade das câmeras fotográficas digitais, indagou “para onde vão as fotos que as pessoas apagam? Elas “morrem”, eu sei, mas não podem apenas sumir. Têm de ir para algum lugar, talvez uma galáxia ou dimensão desconhecida. E, se for verdade o que diziam os antigos, que as fotos roubam a alma das pessoas, penso nesses trilhões de alminhas zanzando em HD pelo espaço, e não sei se rio ou me compadeço.”

Pois é, fazendo o periódico e inevitável back-up de minhas quase 11 mil fotos, catalogando e deletando algumas consideradas “imprestáveis”, me veio outra questão: e aquelas fotos que não sabemos exatamente de onde vieram? Imagens clicadas ao acaso, muitas vezes sem perceber, ao ligar o equipamento, fazer um movimento brusco, dedão nervoso, uma distração, sei lá? Costumo apaga-las mas, lendo o cronista, me bateu um baita arrependimento.

Para onde irão essas fotografias fantasmas, retratos involuntários e furtivos de momentos que nunca vivemos e sequer imaginamos?

6 comentários em “Fantasmagórico

    1. Pois é, Valéria, esse post nasceu exatamente prá isso, encontrar uma utilidade para esse tipo de, está bom, fotografias. Hoje em dia, com a digitalização, dá para guardar. Mas no tempo das fotos de papel e do filme era motivo de revolta! rsrsrs Um abração.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s