Nas aulas de geometria aprendemos que as paralelas só se encontram no infinito e tem até que prove isso com equações matemáticas. Aí, um belo dia, adulto já, dou de cara com essas retas cortadas e, pior, desalinhadas. Coitadas, essa aí nunca alcançarão o seu infinito, seja lá onde ele estiver. Ou será aí mesmo, na Avenida Niemeyer, em São Conrado, numa obra de uma ciclovia carioca?

Sei não, o mundo anda muito estranho…

Publicado por Carlos Emerson Junior

Sou carioca, escritor, fotógrafo nas horas vagas, casado. Moro em Nova Friburgo, na Serra Fluminense.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: