Metralhadora no ônibus

“Ladrão com metralhadora morre em tentativa de assalto a ônibus na Avenida Brasil”.

Parece manchete do extinto jornal Luta Democrática, mas é do O Globo mesmo. E quando li, só não cai no chão porque estava sentado diante do computador. Imagino o pânico de quem foi rendido dentro do busão por um bandido com uma submetralhadora MT12 (segundo a polícia), de fabricação nacional, da Taurus, lançada em 1974 e ainda muito usada pela FAB e de diversas polícias militares do país. Esse tipo de arma você sabe como funciona, basta segurá-la com força, apertar e segurar o gatilho e disparar rajadas de balas na direção do inimigo, perdão, das quase vítimas.

Só para acalmar os leitores (ou terminar de aterroriza-los), é bom esclarecer que o bandido foi morto por um passageiro que reagiu quando ele anunciou o assalto. Além disso, a polícia descobriu que arma não tinha munição. De qualquer maneira, fica a questão, como uma arma de combate, operacional, cai na mão de um manezão? Até onde sei, todo o armamento das forças armadas e policiais é cadastrada. Seria tão difícil rastrear essa submetralhadora e descobrir quem foi o responsável por uma quase tragédia?

Minha solidariedade ao passageiro do ônibus que, resignadamente declarou à imprensa: “– A gente espera pistola, revólver, faca. Mas metralhadora, nunca. É complicado.” Vale lembrar que o cidadão da foto acima é um soldado alemão da 1ª Guerra Mundial. A bandidagem brasileira só usa uniforme quando está na cadeia.

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Apenas um escritor (e fotógrafo).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: