Árvore de Natal

“Dela só nos lembramos uma vez por ano, quando nos reunimos, uns poucos, em torno da árvore para acender velinhas, distribuir presentinhos, bebericar champanha. E escutar ao rádio o sr. presidente da República discursar para pedir ao povo brasileiro que tenha paciência e esperança.

Deus nos acuda!”

Pois é, assim terminava a crônica “Árvore de Natal”, escrita pelo jornalista Vivaldo Coaracy, publicada na edição do dia 29 de dezembro de 1960, no extinto jornal carioca “Correio da Manhã”. Cinquenta e sete anos são passados e árvore de natal só a da Lagoa que, com a crise, nem foi montada. Presentinhos viraram listas intermináveis do trabalho, parentes, amigos, funcionários e assemelhados. Champanha hoje em dia se diz champanhe, mas seu lugar ao lado da árvore foi trocado pela cerveja ou o chope, bebidos em escala industrial. Finalmente, presidente que se preza não faz mais discurso no rádio e sim na televisão, em cadeia nacional, pedindo ao povo brasileiro que tenha paciência e esperança.

Isso aí, meus caros, não muda nunca…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.