Árvore de Natal

“Dela só nos lembramos uma vez por ano, quando nos reunimos, uns poucos, em torno da árvore para acender velinhas, distribuir presentinhos, bebericar champanha. E escutar ao rádio o sr. presidente da República discursar para pedir ao povo brasileiro que tenha paciência e esperança.

Deus nos acuda!”

Pois é, assim terminava a crônica “Árvore de Natal”, escrita pelo jornalista Vivaldo Coaracy, publicada na edição do dia 29 de dezembro de 1960, no extinto jornal carioca “Correio da Manhã”. Cinquenta e sete anos são passados e árvore de natal só a da Lagoa que, com a crise, nem foi montada. Presentinhos viraram listas intermináveis do trabalho, parentes, amigos, funcionários e assemelhados. Champanha hoje em dia se diz champanhe, mas seu lugar ao lado da árvore foi trocado pela cerveja ou o chope, bebidos em escala industrial. Finalmente, presidente que se preza não faz mais discurso no rádio e sim na televisão, em cadeia nacional, pedindo ao povo brasileiro que tenha paciência e esperança.

Isso aí, meus caros, não muda nunca…

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Apenas um escritor (e fotógrafo).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: