Atiradores

Foto: Carlos Emerson Jr.

De longe, muito longe mesmo, com toda a maldita neve na encosta, conseguiu enxergar: tinha um tedesco escondido no meio de uma moita, com um fuzil de mira telescópica. Não havia como errar, a farda verde e o capacete esquisito eram inconfundíveis. O problema agora era outro, qualquer movimento brusco que fizesse, ia levar um tiro no meio dos olhos, no mínimo. Esses atiradores alemães não perdoavam. Só tinha uma chance, meio louca, com tudo para não funcionar, mas não ia entregar sua alma nessa moleza não. Respirou fundo e, tentando se mexer o mínimo possível, puxou a bazuca das mãos do Adriano, coitado, que já havia levado uma bala do filho da puta lá da moita. Como pensava, a arma estava pronta para atirar, não fosse o Adriano seu operador. Com muito cuidado apoiou a arma na beira do fox hole, apontou para a maldita moita, apoiou bem firme o corpo no chão e apertou o gatilho. O disparo empurrou seu corpo para trás, o alemão percebeu, mirou com seu fuzil e nem deu tempo para pensar, a carga explodiu em cheio na moita, reduzindo tudo a pó, carne queimada e ossos quebrados. Respirou profundamente, sentindo-se vivo.

Acordou suando em bicas, apavorado! Caramba, tinha dormido no abrigo! Ainda bem que o sargento não viu, não tinha ninguém perto. Ninguém não, no buraco logo à frente, no meio da neve, dois brasileiros entocados espreitavam. Um já tinha ido, ganhou um balaço bem no meio dos olhos. Mas o outro estava quieto, imóvel, como se estivesse morto. Ou congelado. Que frio, caramba. Essa guerra nunca vai terminar e vamos acabar todos enterrados nesses buracos na neve. Alemães, italianos, americanos, brasileiros, ingleses, o diabo. É, até ele vai congelar no fox hole. Com o canto do olho percebeu quando um tubo verde-escuro surgiu no chão, à sua frente: caramba, é uma bazuca, o filho da puta tem uma bazuca! Automaticamente encostou o rosto na mira telescópica do fuzil, pressionou o gatilho mas só viu, por um décimo de segundo, o projétil ser expelido em sua direção. Não deu tempo sequer de falar “fudeu, morri”.

Acordou suando em bicas, tremendo apavorado. Por alguns segundos, desorientado, não sabia se estava em um fox hole na Itália ou em sua própria cama, no Rio. Foi um pesadelo, claro, mas de onde viera essa história? Olhou para sua mulher, dormindo pesadamente ao seu lado. Ela tinha razão, precisava relaxar, ter uma vida mais saudável, ganhar na loteria, não sabia. O problema é que não havia conexão alguma entre o sonho e seus problemas. Não, não sabia mesmo o que fazer. Aliás, não tinha a menor ideia do que estava fazendo na Itália. De qualquer modo, tinha um tedesco na moita logo à frente. Isso era fácil, bastava um tiro da bazuca para liberar o caminho. Silenciosamente, carregou a arma e esticou o pescoço para situar melhor o alvo. Só ouviu o companheiro gritar: Adriano, se abaixa! Sentiu uma martelada na cabeça e imediatamente, o mundo se apagou.

Acordou suando em bicas, trêmulo, apavorado, taquicárdico. Desta vez chamou a mulher, quase chorando, pedindo ajuda. Não ia dormir de novo. Aliás, se pudesse, não dormia nunca mais. Tinha medo. Olhou para o escuro do quarto e teve certeza que na próxima, era ele quem ia embora.

Carlos Emerson Jr.
Dezembro de 2018

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Apenas um escritor (e fotógrafo).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: