O caso dos termômetros

Foto: Rogério Dias

Algumas coisas são difíceis de explicar, ou melhor, de entender mesmo. Os termômetros de Nova Friburgo, são um bom exemplo, um caso misterioso, digno de um estudo das equipes do CSI ou do FBI. Tá bom, estou exagerando, o pessoal da Abin mesmo também pode chegar a alguma conclusão, se eles estiverem com tempo, verba e disposição para investigar esse fenômeno.

Pois muito bem, vamos aos fatos. Nossa cidade dispõe de uma estação meteorológica automática do INMET – Instituto Nacional de Meteorologia, apropriadamente instalada no distrito de Salinas, nas instalações do IBELGA, o renomado Instituto Bélgica Nova Friburgo. A leitura dos dados da estação é disponibilizada na internet, atualizada hora a hora, durante as 24 horas do dia. E só ir lá e consultar.

Já na cidade, instalaram alguns relógios digitais, desses que dão a hora, a data, a temperatura e tem um baita anúncio na parte de cima, mas quebram um galhão quando você precisa saber que horas são e o celular prende no bolso traseiro da calça. Enfim, eles tem em comum com a estação automática o funcionamento 24 horas mas de onde vem a medição da temperatura eu não faço a menor ideia.

Na última sexta-feira, dia 7 de junho, o relógio termômetro da centro da cidade, o mais visível, foi fotografado (aí em cima) pelo radialista Rogério Dias, da Friburgo AM, às 5:30 da manhã, marcando “agradáveis” 4º, um frio danado que todos sentiam, é claro. Por volta das sete horas, outra foto foi publicada, desta vez indicando 3º. Pois é, não dá para negar, o inverno chegou e arrebentando corações, mentes e agasalhos de friburguenses, turistas e pior, cariocas que resolveram morar na serra, como esse cronista que vos fala.

Acordei por volta das sete e trinta morrendo de frio. Enrolado em uma manta de lã, levantei e fui preparar um café bem quente para me despertar e, porque não, aquecer minhas geladas entranhas. Fui até a janela e fiquei surpreso, na minha cabeça, havia nevado a noite inteira do lado de fora! Liguei o computador e acessei o site do INMET: a mínima registrada na estação de Salinas, às 6 horas, foi 6.5º.

E agora, quem está com a razão? Na varanda do meu quarto, no segundo andar, tem um pequeno termômetro de mercúrio, bonitinho, estilo alemão que, infelizmente não serviu para nada, já que o sol saiu, inflacionando a temperatura. Aí vocês dirão, com toda a razão aliás, que isso é frescura, preciosismo que não leva a nada, já que 3, 4 ou 6 graus é frio pra caramba. Sem dúvida, é frescura e muito frio! Mas e o psicológico, onde fica? Frio também tem sensação térmica e, com certeza, quanto mais baixa a medição, mais perto do zero grau a sensação.

Meus caros, em 1999, quando vim morar aqui no Sans Souci, a temperatura chegava no zero, a água parava de jorrar nas torneiras e havia quem jurasse que de madrugada formou geada. Quantas vezes acordamos, vimos o tamanho do prejuízo térmico, pegamos o carro e voltamos para o Rio, de pijama, touca e xale no pescoço em busca do calor perdido.

Os tempos mudaram, Friburgo ainda é fria mas não congela mais ninguém e hoje em dia não temos mais onde nos abrigar no litoral, nossa casa é aqui na serra, até sempre. Aprender a viver no inverno é de lei e vamos levando o frio com aquecedores, lareira, moletons, edredons, meias de lã e qualquer coisa que esquente, incluindo aí uma boa sopa, um chá e até mesmo, em caso de desespero, a boa e velha cachaça.

Se suíços e alemães aguentaram, não seremos nós, cariocas, que vamos dar vexame numa hora dessas. ¡Que venga el invierno!

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Apenas um escritor (e fotógrafo).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: