Vamos pintar a casa?

Divulgação

Pensar em pintar sua casa é uma coisa, decidir (prá valer) é que são elas. Começa pela necessidade, sempre vai ter alguém garantindo que dá para segurar por mais uns dois ou três anos.

– Olha só, o branco só está ligeiramente amarelado e tem umas manchas cinza na parte inferior das paredes. Ninguém nota.

– Como ninguém nota, isso é fungo, se espalha que é uma desgraça!

– Exagero seu, essa pintura ainda aguenta uns bons 5 anos, vai por mim.

Pois sim!

Superada essa fase, aparecem os palpiteiros das cores, cheios de certezas e modernidades.

– Ah, a sala ficaria linda num tom fúcsia almiscarado, contrastando com as paredes roxo claro tipo sexta-feira santa do quarto do casal e um verde tempestade tropical em alto mar no escritório. Vai ficar chiquérrimo.

– Jamais, só faltou colocar sancas douradas! Prefiro um tom mais neutro, tipo um azul clarinho, mesclando com um rosa amor no quarto de vocês e creme de abacate na área de trabalho.

– Pô, estamos falando de cores, não de sobremesa! A cozinha ficaria marrom escura, presumo…

Só pode ser piada. E de muito mau gosto. Mas com determinação a gente ultrapassa essa loucura e mergulha de cabeça na pior de todas, quem vai fazer o serviço.

– Bom, o mais lógico, prático e barato sou eu mesmo. Posso não ter muita experiência, mas tenho tempo e disposição. Só preciso de uma escada que não caia, brocha (sem risinhos), pincéis, espátula, massa de correr, gesso, capacete, avental, cinto de segurançajornais velhos e cerveja à vontade.

– Você está maluco? Olha a sua idade, tenha juízo. E já te conheço, essa pintura só vai acabar no dia do Juízo Final. Isso é desculpa para encher o bucho de cerveja. Não, vamos contratar um profissional.

– Mas quem?

– Tem o Jorge Soldador…

– Acho que não. Ele é bom com fogões, geladeiras, máquinas de lavar e assemelhados. Nunca soube que ele pintava. Mentira, soube sim, foi o próprio Jorge que reformou sua oficina. Ficou uma porcaria, não é mesmo?

– Que tal o Luís Pinguinha?

– Tá doida? Ele bebe mais que o pinguço de Curitiba. Cobra caro, suja tudo, é fofoqueiro e ainda corre o risco de despencar de uma das janelas daqui de casa. O cara vê tudo em dobro.

– Tem razão. Bom, posso falar com uma amiga arquiteta e pedir uma indicação, mas com certeza vai sair mais caro, ela só trabalha com empresas.

– Se é por isso, então vamos entrar em contato com a Odebrexi. Com essa história de lava-jato, o movimento deve ter caído e de repente a gente consegue um preço bom.

– Com ou sem propina?

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Escritor e Fotógrafo

Se junte à conversa

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: