Velejar

Foto: Carlos Emerson Jr.

Se tem uma coisa que tenho saudades do Rio é o mar. Nascido e criado em Copacabana, tendo sua praia como única área de lazer, lá aprendi a nadar e, principalmente, conhecer os humores e respeitar o oceano. Vi ressacas históricas, peguei muito jacaré como quase todo mundo nos anos 60, fui queimado pelas traiçoeiras águas-vivas e, certa vez mergulhando, dei de cara com uma baita arraia e seu ferrão. Não sei onde fui consegui coragem para virar e nadar até a faixa de areia, completamente apavorado!

Um dia resolvi aprender a velejar. O cais aí da foto, lá na Marina da Glória, no Parque do Flamengo, era onde ficava o veleiro escola, um barco pequeno e robusto, fácil de manejar. Foram alguns meses de aulas, sempre aos sábados depois do almoço, com sol, chuva, vento ou nevoeiro. Afinal, Machado de Assis já dizia que “não é em terra que se fazem os marinheiros, mas no oceano, encarando a tempestade”.

Velejando descobri que o mar da Baia da Guanabara é diferente do mar aberto do oceano. Se as ondas por aqui são suaves, os barcos estão por toda a parte. Grandes, pequenos, feios, bonitos, modernos, velhos, veleiros, traineiras, botes, canoas, iates, o que o freguês imaginar. E dos atracadouros do Iate Clube, do Quadrado da Urca e do cais do Forte São João, saem ou chegam os barcos que cortam essas águas antigas levando gente para outras paragens.

Tudo bem, nunca nos aventuramos fora da Barra. Íamos até a boca para curtir o tamanho das ondas e retornávamos felizes. Só isso bastava.O importante era a técnica, o domínio da embarcação, não a aventura, até porque não há mais terras para descobrir. Mas podemos sonhar que ainda há peixes para pescar, praias para conhecer, ondas para enfrentar, nevoeiros para desbravar, correntezas para desviar. Aos barcos, rumo ao horizonte navegar: “marujos, levantar ancora, içar velas, soltar as amarras!”

Um belo dia o pequeno veleiro cortava a Baia da Guanabara, perto da Praia do Flamengo, quando o instrutor avisou, onda à frente. Embiquei a proa em sua direção, subimos até o alto de sua crista e descemos, prontos para encarar a próxima. Mas não veio nenhuma outra. O mar voltou a ficar liso e o vento manso. Acho que aquela onda foi só uma brincadeira. Do tipo, acorda aí, marinheiro!

Que pena… Nunca mais velejei.

Publicado por Carlos Emerson Jr.

Escritor e Fotógrafo

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: