Roubando o Rio

A prisão de um procurador do estado do Rio de Janeiro, pela Lava jato, coloca números em um dos maiores escândalos cometidos pelo condenado e presidiário Sérgio Cabral e sua gangue, a construção da Linha 4 do metrô carioca, uma vergonha completa, uma roubalheira na cara de toda a população que ainda teve que aturar os discursos e entrevistas mentirosos do ex-governador, do ex-prefeito e dos organizadores dos Jogos Olímpicos, um bando de ladrões!

O Portal G1 entrega o tamanho do prejuízo do Rio: “em 1998 o projeto da Linha 4 foi orçado em R& 880 milhões. Quando o governador Sérgio Cabral resolveu retomar as obras, o valor passou para R$ 3 bilhões. Em 2016, quando foi inaugurada, o valor total gasto pelos cofres públicos foi R& 9,6 bilhões, 11 vezes mais.” “O governo do estado recebeu R$ 59,2 milhões em propinas e o procurador detido R$ 1,265 milhões da Odebrecht para mudar o trajeto do Metrô.

O pior é que quando a gente pensa que quatro ex-governadores e um ex-presidente presos é o suficiente, figuras estranhas, travestidas de autoridades, surgem vendendo animadamente a construção de um autódromo em Deodoro, bancado pela iniciativa privada. Pois é, você acredita? A cidade do Rio de Janeiro precisa de tudo, mas tudo mesmo e a turma quer empurrar pela goela da população uma obra inútil, destinada a virar mais um elefante branco, já licitada cheia de irregularidades e sob suspeitas do MP. Pelo visto a festa não terminou, não é senhores? Putz!

Para ler as matérias do G1 com essas barbaridades, clique aqui e aqui.

Humanos

Desenho: Eduardo Cambuí Junior

José Saramago, o grande escritor português, uma vez afirmou que “nossa maior tragédia é não saber o que fazer com a vida”. Que ela não é fácil isso não se discute, mas a maneira como a vivemos, as expectativas que criamos, decepções com sonhos não realizados, amores não correspondidos e a inexorável jornada para a morte são mais do que suficientes para gerar frustrações e ressentimentos.

Durante nossa breve existência temos que conviver com a disputa pelo poder, o consumismo desenfreado, preconceitos, ódio e o mais importante, nossa própria ignorância! É claro que somos recompensados com amores, amizades, esperança e curiosidade, mas a grande dificuldade sempre foi e será o que fazer com a vida que recebemos. Somos racionais, mas movidos por emoções. E, é claro, humanos, simplesmente humanos.

Arte

Esqueceram de mim!

Imaginem a cena. Já é noite, o trabalho no escritório em outra cidade, do outro lado do país foi exaustivo, tudo o que a mulher deseja é chegar logo no aeroporto, embarcar, voltar para casa, tomar um banho bem quente, cair na cama e dormir até o dia seguinte, de uma enfiada só. Muito justo, aliás. Assim que o avião decolou, reclinou a poltrona (licença poética, hoje em dia isso não existe), se encostou na janela e apagou profundamente, um sono sem sonhos e nenhuma turbulência.

Despertou bruscamente com muito frio, sem entender direito onde estava. A escuridão era completa, assustadora mesmo. O silêncio, absoluto. Para piorar, descobriu que ainda estava presa com o cinto de segurança na poltrona. Caramba, será que o avião caiu? Morri e ninguém me avisou? Gente, cadê meu celular? Me esqueceram no avião!

O celular estava no chão, quase sem bateria. Ligou para uma amiga mas, quando ia pedir socorro, o infeliz desligou. Suspirou profundamente, soltou meia dúzia de palavrões, levantou e foi até uma das portas. Gritou, implorou, esmurrou, chutou, tudo em vão. Não sabia sequer que horas eram. Alguma coisa fez um barulho do lado de fora. Pela janela viu um vulto passando por baixo da aeronave empurrando uma espécie de carrinho. Meteu a mão em uma alavanca da porta e… Milagre, a infeliz abriu.

O funcionário, assustado, avisou a administração que tinham deixado uma passageira trancada dentro de uma aeronave. Providenciaram uma escada, a empresa aérea mandou uma manta para proteger do frio, um automóvel e reserva em um hotel no centro da cidade. Nossa “heroína” não quis nem saber: embarcou no carro e mandou seguir para sua casa. Já havia vivido emoções demais para um dia.

Pois é, meus caros, quando a gente pensa que a ficção é muito mais criativa do que a vida real, me aparece uma aérea de primeiro mundo, em pleno aeroporto de Toronto, para provar o contrário. Minha solidariedade à passageira, tomara que ela não fique com medo de voar ou de aeroportos. E pensar que eu sempre achei que algum dia ia ficar trancado dentro um shopping center carioca qualquer, um vexame. Vê lá se isso é motivo para pânico!

A notícia desse “esquecimento” pode ser lida aqui.

Tapetes de Corpus Christi 2019

Foto: Carlos Emerson Junior

Ontem, 20 de junho, foi o dia da festa de Corpus Christi, instituída pelo Papa Urbano IV no dia 8 de Setembro de 1264, lembrando a caminhada dos peregrinos em busca da Terra Prometida. Como todos os anos, Nova Friburgo parou e se emocionou com os tapetes de sal, confeccionados ainda na madrugada, debaixo de muito frio. Aliás e a propósito, consegui encontrar no A Voz da Serra um breve histórico desta tradição em nossa cidade:

“A confecção de tapetes remete a 1ª década do século passado. Há registros de que em 1902, 1903 já eram feitos os tapetes no Colégio Anchieta. Aliás, de lá saía a procissão de Corpus Christi pela cidade após a Missa Campal, conduzida pelo bispo. O tapete do Colégio Anchieta deu notoriedade a esse ato. Dizem que o tapete de Corpus Christi do Anchieta era um dos maiores do mundo. O último que se teve media aproximadamente 2.800m². De terra é provavelmente o maior. Em termos de tamanho só perdia para um tapete de flores que é feito na Áustria. O tapete foi confeccionado por décadas até os idos de 70, quando o trabalho foi cessado e sendo retomado pelo Profº Antonio Savioli, que foi aluno do Colégio e como aluno ajudava a fazer o tapete. Como diretor, resolveu retomar a tradição que foi interrompida novamente após a saída dele da direção. Mas a história está aí e traz uma série de lindos tapetes com diversas temáticas eucarísticas.” (A Voz da Serra)

Fotos: Carlos Emerson Junior

O tapete que mais me agradou foi feito pelo pessoal do Agenda 21 Nova Friburgo, deixando uma mensagem muito importante para todos nós:

Foto: Carlos Emerson Junior

A casa do João de Barro

Foto: Carlos Emerson Junior

E não é que até aqui na serra todo mundo só quer morar em condomínios? E estou me referindo a todo mundo, inclusive o simpático João de Barro, engenheiro, projetista e construtor incansável, que procura o melhor lugar para abrigar sua família. O seu grande problema é o mesmo de todos nós, a segurança. Uma casa tem que ser forte, para aguentar as intempéries, protegida contra predadores (no nosso caso a bandidagem mesmo), espaçosa o suficiente para acolher todo mundo.

Vizinhos? Sempre é bom, claro, mas é preciso saber conviver numa coletividade com educação, civilidade e respeito. Não sei esses conceitos cabem num “Fornarius Rufus” (o nome científico do nosso construtor) mas como nunca vi brigas em cima de postes de luz, acredito que as aves são de paz. Aliás, aquela história que a gente ouve desde criança que o João de Barro faz sua casa com a abertura oposta do vento da chuva nunca foi comprovada. Taí, mesmo assim, ainda acho que eles são grandes engenheiros.

PS: a foto acima foi feita aqui pertinho de casa, nas Braunes, no já distante ano de 2012 e, se não estou enganado, ilustrou uma de minhas crônicas no A Voz da Serra da época.

Dia dos Namorados?

Foto: Carlos Emerson Jr.

Hoje é o Dia dos Namorados? Ué, mas não são todos os dias? Vocês acham que quem se gosta mesmo está preocupado com um dia específico para comemorar? Namorado que se preza namora todo santo dia, o dia inteiro se deixarem. E a noite também, claro! Namorados namoram, falam bobagens, riem, contam historinhas, criam expectativas, são felizes e quer saber, provavelmente, nem estão ligando para isso.

A todos os namorados chicletes, aos que ainda conseguem namorar durante uma longa relação, àqueles que namoram mas ainda não sabem e, principalmente, para a minha namorada há quase 50 anos, um Feliz Dia dos Namorados. Todos os dias!

O caso dos termômetros

Foto: Rogério Dias

Algumas coisas são difíceis de explicar, ou melhor, de entender mesmo. Os termômetros de Nova Friburgo, são um bom exemplo, um caso misterioso, digno de um estudo das equipes do CSI ou do FBI. Tá bom, estou exagerando, o pessoal da Abin mesmo também pode chegar a alguma conclusão, se eles estiverem com tempo, verba e disposição para investigar esse fenômeno.

Pois muito bem, vamos aos fatos. Nossa cidade dispõe de uma estação meteorológica automática do INMET – Instituto Nacional de Meteorologia, apropriadamente instalada no distrito de Salinas, nas instalações do IBELGA, o renomado Instituto Bélgica Nova Friburgo. A leitura dos dados da estação é disponibilizada na internet, atualizada hora a hora, durante as 24 horas do dia. E só ir lá e consultar.

Já na cidade, instalaram alguns relógios digitais, desses que dão a hora, a data, a temperatura e tem um baita anúncio na parte de cima, mas quebram um galhão quando você precisa saber que horas são e o celular prende no bolso traseiro da calça. Enfim, eles tem em comum com a estação automática o funcionamento 24 horas mas de onde vem a medição da temperatura eu não faço a menor ideia.

Na última sexta-feira, dia 7 de junho, o relógio termômetro da centro da cidade, o mais visível, foi fotografado (aí em cima) pelo radialista Rogério Dias, da Friburgo AM, às 5:30 da manhã, marcando “agradáveis” 4º, um frio danado que todos sentiam, é claro. Por volta das sete horas, outra foto foi publicada, desta vez indicando 3º. Pois é, não dá para negar, o inverno chegou e arrebentando corações, mentes e agasalhos de friburguenses, turistas e pior, cariocas que resolveram morar na serra, como esse cronista que vos fala.

Acordei por volta das sete e trinta morrendo de frio. Enrolado em uma manta de lã, levantei e fui preparar um café bem quente para me despertar e, porque não, aquecer minhas geladas entranhas. Fui até a janela e fiquei surpreso, na minha cabeça, havia nevado a noite inteira do lado de fora! Liguei o computador e acessei o site do INMET: a mínima registrada na estação de Salinas, às 6 horas, foi 6.5º.

E agora, quem está com a razão? Na varanda do meu quarto, no segundo andar, tem um pequeno termômetro de mercúrio, bonitinho, estilo alemão que, infelizmente não serviu para nada, já que o sol saiu, inflacionando a temperatura. Aí vocês dirão, com toda a razão aliás, que isso é frescura, preciosismo que não leva a nada, já que 3, 4 ou 6 graus é frio pra caramba. Sem dúvida, é frescura e muito frio! Mas e o psicológico, onde fica? Frio também tem sensação térmica e, com certeza, quanto mais baixa a medição, mais perto do zero grau a sensação.

Meus caros, em 1999, quando vim morar aqui no Sans Souci, a temperatura chegava no zero, a água parava de jorrar nas torneiras e havia quem jurasse que de madrugada formou geada. Quantas vezes acordamos, vimos o tamanho do prejuízo térmico, pegamos o carro e voltamos para o Rio, de pijama, touca e xale no pescoço em busca do calor perdido.

Os tempos mudaram, Friburgo ainda é fria mas não congela mais ninguém e hoje em dia não temos mais onde nos abrigar no litoral, nossa casa é aqui na serra, até sempre. Aprender a viver no inverno é de lei e vamos levando o frio com aquecedores, lareira, moletons, edredons, meias de lã e qualquer coisa que esquente, incluindo aí uma boa sopa, um chá e até mesmo, em caso de desespero, a boa e velha cachaça.

Se suíços e alemães aguentaram, não seremos nós, cariocas, que vamos dar vexame numa hora dessas. ¡Que venga el invierno!

Uma porta

Foto: Carlos Emerson Jr.

Alexander Graham Bell, o cientista considerado um dos pais do telefone, uma vez disse que “quando uma porta se fecha, outra se abre. Mas muitas vezes nós ficamos olhando tanto tempo, tristes, para a porta fechada que nem notamos aquela que se abriu.” Não sei e não consegui descobrir a origem das portas. Sabe-se que é muito antiga e foi inventada, digamos assim, para proteger contra inimigos, animais predadores e o frio. Portas fecham, protegem mas também nos isolam. Saber abrir portas requer sensibilidade, esperança e confiança. Uma porta aberta pode ser simplesmente a saída de casa. Mas, se você ousar sonhar, levam a mundos distantes, caminhos desconhecidos, sonhos esquecidos.

Pois é… Depende de você.

Uma cabra do Tirol

Foto: Carlos Emerson Jr.

O dia 13 de junho de 2009 caiu em um sábado. Eu já estava morando parte da semana em Nova Friburgo e, de comum acordo com a Sra. Emerson, fomos comemorar o nosso 38º aniversário de namoro e 33º de casamento no Bräun & Bräun, em Mury. Para nossa surpresa e alegria, o pessoal da casa nos alojou perto desta simpática cabra tirolesa, curtindo sua cerveja com canudinho (afinal, cabra não tem mãos), nem se importando com o frio de 15º do inverno de nossa cidade. Uma boa recordação!