Dois mil e vinte, o ano que nunca começou

Foto: Carlos Emerson

Trinta e um de dezembro de dois mil e dezenove. Toda a mídia, praticamente sem exceção, divulga as famosas previsões de astrólogos, videntes, cartomantes, tarólogos, religiosos, cientistas, analistas políticos, economistas, atores, músicos e celebridades diversas sobre o ano que está chegando. Vamos lembrar algumas?

“Para a carreira, as previsões para 2020 são muito boas. Tudo indica que no próximo ano aumentarão as oportunidades de trabalho”.
“Será um ótimo ano para colocar em projetos e planos em prática, muitas pessoas terão iniciativas.”
“O passaporte brasileiro será um dos mais cobiçados, e falando nisso, acordos bilaterais vão reduzir a necessidade de visto para vários países”.
“Sites de fofoca vão bombar: a tendência é haver traições e separações envolvendo artistas e poderosos em geral”.

Pois é, os sites de fofoca realmente estão com a bola cheia mas em compensação o mundo inteiro parou completamente por causa de um “resfriadinho” que ninguém previu. Que coisa! Janeiro e fevereiro ainda rolaram numa boa, sol, praia, carnaval, uma festa, apesar dos alertas da OMS e até mesmo do Ministério da Saúde, dando conta que havia alguma coisa estranha no ar. Literalmente.

Em março, diante do crescimento descontrolado do número de casos e mortes, os governos do planeta, impotentes, resolveram fazer a única coisa a seu alcance naquele momento: parar o mundo. E assim foi feito. O tempo foi passando, o vírus estudado, dissecado e, possivelmente transmutado reduziu a “poderosa” civilização do século XXI, quase oito bilhões de pessoas, a meros prisioneiros trancados em suas casas, tentando sobreviver da maneira o menos pior possível.

O resto é história e para ser honesto, tenho que registrar que as guerras pararam, o trânsito melhorou, o ar das cidades melhorou, a maneira de trabalhar mudou e a internet, ao contrário do que previram os filmes do James Cameron (lembram da Skynet?), salvou vidas, empregos e a educação de nossas crianças e jovens.

Pelo tempo que já vivi, não me iludo com essa de “dias melhores virão”. Moro no Estado do Rio e vi de perto o que a ganância, o desamor e a falta de vergonha na cara podem fazer. O caso dos sete hospitais de campanha usados para desviar dinheiro público em plena crise da saúde foi de uma canalhice sem igual. Roubar numa hora dessas deveria ser crime hediondo.

Mas vamos em frente e lentamente, assistindo pela janela as estações do ano passarem, apreciando as mudanças de cores das árvores da floresta que nos rodeia, os pássaros que vão e vem, as nuances dos diferentes céus de março até hoje, me dou conta que estamos no meio de setembro e o ano que não começou acaba daqui a 3 meses, com ou sem vírus, com ou sem vacinas.

Para mim, 2020 será o ano que descobri que tinha um câncer, fiz uma cirurgia e encarei uma quimioterapia em plena pandemia do Coronavírus. Não tenho a menor ideia do que virá pela frente mas, como sou brasileiro vou encarar numa boa. Afinal, se eu tivesse desistido, não estaria aqui escrevendo essa crônica!

PS: Mas decididamente, 2020 não existiu!

Carlos Emerson (setembro/2020)

Tudo bem no ano que vem.

Pintura: Marie Lamoureaux

E não é que estamos chegando ao fim de 2019? Mas por favor, não se preocupem, não vou fazer nenhuma retrospectiva, isso é com a imprensa, que precisa vender jornal numa época do ano em que ninguém está interessado no passado. Enfim, claro que não vou entrar nesse erro e minha ideia é (ou era) falar do futuro, de 2020, o ano que completarei, se a vida permitir, 70 anos de idade, uma eternidade!

Brincadeiras à parte, nem preciso ser vidente para saber o que 2020 promete: um verão abrasador no Rio de Janeiro, chuvas de verão apavorantes aqui em Nova Friburgo, incêndios na Amazônia e no Cerrado no inverno, acompanhados de acusações de “personalidades” internacionais, prisões de políticos e empresários envolvidos em corrupção, sua imediata soltura pelo “Supremo”, confusões rumorosas de artistas “famosos” e, infelizmente, o choque diário com a violência nossa de cada dia.

No futebol não tem erro, o Flamengo deve ganhar tudo de novo, o VAR será mais um motivo para discussões intermináveis e o meu querido e sofrido Botafogo, se as mudanças internas não derem resultado, continuará a disputar para não ser rebaixado. Que coisa! Sinto muito, mas não acredito que a seleção brasileira de Tite traga a Copa lá do Catar. Aliás, fico com a sensação que essa previsão é óbvia demais…

No resto do mundo seguem as guerras e os atentados de sempre. China, Rússia e Estados Unidos continuarão se ameaçando mutuamente, sem a menor intenção de destruir o inimigo, é claro, vê lá se eles são bestas de perder mercados de milhões de pessoas. O problema são os menores, Coréia do Norte, Estado Islâmico, Boko Haram e similares em sua cruzada louca tentando destruir o planeta. Desses a gente não ser livra nunca…

E as promessas de fim de ano? Ah, um barato! Deixar de fumar, retomar a dieta com seriedade, dar um descanso para a bebida (depois do dia 6, é claro), voltar para a academia, cuidar da saúde, juntar dinheiro para viajar, controlar a impulsividade, procurar e ser gentil com os parentes, cultivar as amizades, ajudar os necessitados, procurar um marido, um emprego e sair da casa dos pais, não necessariamente nessa ordem. Pois é!

Mas piora, caros amigos. Ano que vem tem eleições municipais e aí não tem jeito, volta o “nós” contra “eles”, esquerda contra direita, centro contra todo mundo, discussões, inimizades, assédio de cabos eleitorais, regularizar nossa situação eleitoral, ouvir promessas impossíveis, pesquisas de opinião, ligações de telemarketing, fila de votação e a desgraça final, não encontrar um único nome decente para votar. Enfim, como é nosso “dever cívico”, vamos todos às urnas. E seja o que Deus quiser, afinal não garantem que ele é brasileiro?

Feliz Ano Novo!

Dois mil e quinze

“Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito” (William Blake).

Pois é, mas enquanto não chegamos nesse nível, vamos abrir todas as portas que estiverem à nossa frente, nunca esquecendo de sempre deixá-las abertas para que todos possam usá-las.E assim, sem temer a aparência da próxima porta fechada que estiver logo à frente, deixo os votos de um ótimo, infinito e verdadeiro 2015.

Paz!

E que venha mais um ano!

Ano-Novo-2013

De tudo ficaram três coisas:
A certeza de que estamos começando,
A certeza de que é preciso continuar e
A certeza de que podemos
ser interrompidos antes de terminar

Fazer da interrupção um caminho novo,
Fazer da queda um passo de dança,
Do medo uma escola,
Do sonho uma ponte,
Da procura um encontro,
E assim terá valido a pena existir!

Fernando Sabino (O Encontro Marcado, Editora Record)

*****

E que venha mais um ano, meus queridos amigos! Afinal, quem vai fazer 2013 somos nós mesmos. Felicidades, muita saúde e vamos em frente!