Pirralhos

Foto: Little Rascals (1932)

Você sabe o que é pirralho? Palavra de origem obscura, no Brasil e em Portugal significa “criança”, “jovem”, indivíduo de pequena estatura” e em sentido pejorativo “criança ou jovem atrevido ou com pretensões de adulto”. Considerada um brasileirismo, só aparece nos textos brasileiros dos séculos XVIII e XIX, e em Portugal nas regiões da Beira, Minho e Madeira. Mas isso não importa, a palavra existe e é antiga.

A propósito, o jornalista e poeta brasileiro, Emílio Nunes Correia de Menezes, nascido no Paraná em 1866, deixou uma frase ótima usando a palavra “pirralho”: “apertado para aliviar a bexiga, correu até um terreno baldio. Muito gordo, estava a desafogar-se quando um pirralho grita: Ih, eu vi seu negócio!. Satisfeito, Emílio tirou do bolso uma cédula de alguns réis, dando-lhe: “Tome, você merece! Há muitos anos não o vejo…”

Machado de Assis, no seu conto “Bons Dias”, conversando com um escravo: “– … Um ordenado pequeno, mas que há de crescer. Tudo cresce neste mundo; tu cresceste imensamente. Quando nasceste, eras um pirralho deste tamanho; hoje estás mais alto que eu. Deixa ver; olha, és mais alto quatro dedos…” E no “Diálogo” da “Teoria do Medalhão”, o pai conversa com o filho: “- Saiu o último conviva do nosso modesto jantar. Com que, meu peralta, chegaste aos teus vinte e um anos. Há vinte e um anos, no dia 5 de agosto de 1854, vinhas tu à luz, um pirralho de nada, e estás homem, longos bigodes, alguns namoros…”

E, para não esquecer as obras primas, em seu romance “Dom Casmurro”, no capítulo 22, Sensações Alheias”, o autor conta o pensamento do narrador e… “Ciúmes não podiam ser; entre um pirralho da minha idade e uma viúva quarentona não havia lugar para ciúmes.” Precisa mais? Precisa, é claro.

José Mauro de Vasconcelos, em seu premiado e muito vendido “O Meu Pé de Laranja Lima” escreveu “A carranca do Português parece que aumentara. Seus olhos despendiam fagulhas. – Então, moleque atrevido. Eras tu? Um pirralho desses com tal atrevimento! … Deixou que meus pés tocassem no chão”

*****

Pois é, meus caros, meus pais cansaram de me chamar de pirralho. Eu mesmo, aliás, volta e meia usava o pirralha com minhas filhas. A palavra, que estava esquecida, foi bastante usada nos anos 50/60/70, sem provocar nenhum trauma, ao contrário do acontece hoje em dia. Vai entender…

Carlos Emerson Jr (2019)