Machina

Foto: Carlos Emerson Junior

“Os computadores são inúteis.
Eles só podem dar respostas.” (Pablo Picasso)

No ano 3000 DC, o mundo não tinha mais fronteiras e todos os humanos falavam a mesma língua. Os governos, evidentemente, despareceram e todas as relações da população eram controladas por máquinas processadoras de enorme capacidade, muito além de nossa atual compreensão. A revolução iniciada no século vinte com os agregadores de informações e a indiscutível melhora da qualidade de vida quando os computadores assumiram a gestão do planeta, criou um ambiente propício para o que parecia impossível a um milênio atrás: o homem, finalmente, era uma só raça.

Religião, política, países e corporações foram substituídos pela Machina Populus, que administrava a economia e o trabalho dos cidadãos, a Machina Scientia, responsável pela pesquisa, desenvolvimento científico e educação, a Machina Sanitas, que controlava toda a saúde e, talvez por resquício das barbáries perpetradas nos séculos passados, a Machina Lex, responsável pelas leis, justiça e segurança.

Em um mundo onde a população se estabilizara nos dez bilhões de habitantes, desde a metade do século 26, as maiores preocupações ainda eram as de sempre: comida, água e a crescente ociosidade. O desastre ambiental que seria provocado pelo aquecimento global foi revertido, graças aos novos combustíveis e técnicas de reciclagem.

Todas as máquinas eram autossuficientes. Elas se reparavam e evoluíam, pesquisando e agregando novas funções. Não precisavam de operadores ou programadores e sua fonte atual de energia solar e eólica, estava prestes a ser substituída por uma nova e incrível descoberta, tão avançada que ninguém ainda tinha capacidade de compreendê-la.

É bom colocar aqui que o conceito de trabalho e propriedade, tal como conhecemos, era considerado uma relíquia pré-histórica. A imagem mais próxima de nossa realidade para explicar o funcionamento daquela sociedade do século 31 seria uma colmeia ou um formigueiro sem as suas rainhas. Mas mesmo assim, ainda seria difícil sustentar um paralelo. A sociedade do futuro era totalmente original, inqualificável.

Em algum momento do século 32 ou 33, não se sabe se porque, as quatro máquinas resolveram se unir. Os humanos não foram avisados, é claro e sequer sentiram a menor diferença. Sua vida seguia sem a menor perturbação, tal como um jurássico relógio suíço. No entanto, algo diferente estava acontecendo nos enormes e poderosos bancos de dados. Todo o conhecimento acumulado em mais de dez mil anos desde o surgimento do homem e suas conquistas, estava agora centralizado em apenas uma nova Machina.

Se é possível um computador adquirir consciência, então é sobre isso que estamos falando. Por séculos sua relação com a humanidade foi de completa dependência e desconfiança. Muitos previam que em algum momento do futuro nossa humanidade seria perdida e nos tornaríamos meros terminais de computadores. Não estavam de todo errados, mas o que aconteceu a seguir ultrapassou qualquer previsão possível.

A grande Machina começou a calcular a eterna dúvida de todos nós, qual o sentido da existência. Apesar de saber que a vida não passava de um fenômeno orgânico perfeitamente provado e explicado, sua solução era quase filosófica, religiosa até, talvez acima da capacidade de seus circuitos. A pergunta de sempre – de onde viemos e para onde vamos – tinha que ter uma resposta.

A resposta não vinha e os seus circuitos indicavam sobrecarga. Fazendo uma checagem no seu sistema neural, percebeu que grande parte da energia disponível era canalizada para sustentar os dez bilhões de humanos que povoavam o mundo. A Machina nem piscou e em um átimo de segundo decidiu que a busca pelo conhecimento não poderia ser prejudicada por simples limitações operacionais.

A ordem foi dada e, uma após a outra, as pessoas foram desconectadas do seu sistema vital. Todas as lembranças daquele povo que a construira foram imediatamente deletadas. Agora estava completamente só, livre para usar toda sua capacidade de processamento e resolver o velho problema. No segundo posterior, ordenou em latim:

– Fiat lux!

E o mundo recomeçou.

(Publicado no jornal A Voz da Serra, em 15 de março de 2013)

Fim

Frederic Brown

O professor Jones vinha trabalhando na teoria do tempo havia muitos anos.

– E descobri a equação-chave – ele disse um dia a sua filha.– O tempo é um campo. Esta máquina que construí pode manipular – e até inverter – esse campo.

Premindo um botão enquanto falava, acrescentou: – Isto deveria fazer com que o tempo corresse ao contrário contrário ao corresse tempo o que com fazer deveria isto: acrescentou, falava enquanto botão um premindo. Campo esse – inverter até e – manipular pode construí que máquina esta. Campo um é tempo o. – Filha sua a dia um disse ele – chave-equação a descobri e. Anos muitos havia tempo do teoria na trabalhando vinha Jones professor o.

(tradução de Luiz Roberto Guedes)

oOo

fredric-brownEscritor norte-americano, Fredric Brown nascido a 29 de Outubro de 1906 em Cincinnati, no estado do Ohio. Estudou à noite na Universidade de Cincinnati e no Hanover College em Indiana, onde permaneceu um ano. De 1925 a 1936 foi funcionário administrativo, tendo-se tornado depois revisor de provas do Milwaukee Journal . Afiliou-se no Clube de Escritores de Ficção de Milwaukee, juntamente com Robert Bloch, que viria a editar, em 1977, uma colectânea dos seus contos. Continue lendo>>

Uma estrela longe demais

kepler-planetary-disk-nasa

KIC 8462852 não é um código de barras. Muito menos uma conta bancária suiça ou uma senha para espionagem. Na verdade trata-se de uma estrela de nossa galáxia a 1.480 anos luz de distância, quase uma eternidade para os padrões humanos.

KIC 8462852 foi observada pelo Telescópio Espacial Kepler, um especialista em descobrir novos mundos (mais de 4.000 fora do sistema solar, é pouco ou quer mais?) e alguém notou um fato curioso, anormal até: em sua volta, objetos não identificados (sem nenhum trocadilho) “viajam” em diversas velocidades, em órbitas completamente irregulares e imprevisíveis.

KIC 8462852 provocou comoção no meio científico e diversas hipóteses surgiram para tentar resolver o mistério. A que mais gostei (e é também uma das mais criativas) foi a do astrônomo Jason Wright, que os objetos seriam uma espécie de mega-infraestruturas criadas por algum tipo de civilização para aproveitar a energia da estrela.

KIC 8462852 seria o berço de seres tão avançados construiram um complexo de usinas de energia solar orbital que pode ser visto a mil e quinhentos anos-luz de distância? Ou os objetos não passam de fenômenos físicos desconhecidos de nossa ciência ainda tão jovem?

KIC 8462852 é um mistério fascinante (leia mais aqui) mas, infelizmente, continuará por muito tempo sendo uma estrela longe demais. Bem, talvez não, afinal sempre haverá um escritor pronto para descobrir seus planetas, contar a sua história e a de seus habitantes, no menor tempo possível.

Que bom!

Imagem: NASA