Íris

Foto: Carlos Emerson Junior

Seria essa flor uma Íris legítima? Segundo o Google sim mas, como ele adora pregar uma peça nos incautos, relaciona logo a seguir diversas espécies parecidas com nomes distintos, como “Íris-da Sibéria” (bem apropriada com o frio que tem feito à noite aqui na serra), “Íris-Amarelo”, “Iris Tectorum”, “Íris Versicolor” (linda, puxando para os tons de vinho, branco e amarelo), “Iris Reticulata”, “Íris Pálida” (bem óbvio, azul clarinho, bem desbotado), “Íris Sanguínea” (azul forte, vibrante, mas não perguntem por que esse nome numa uma flor azul.), “Íris Aquática”, “Íris Variegata”, “Íris Negra” (roxa, bem escura, quase negra mesmo. Uma maravilha), “Íris Láctea” e a curiosa e completamente diferente das outras “Íris Confusa”, pequena, quase uma florzinha de mato.

A lista é longa, possivelmente trabalho para todo um dia. Gosto muito de flores e morar numa cidade produtora de flores (a segunda do Brasil), onde em qualquer terreno baldio ou mata virgem você dá cara com todas elas, nas quatro estações do ano, é um presente para fotógrafos, amantes da natureza e amigos das flores, esse milagre da natureza que, entre todas as suas utilidades nos remete ao nosso melhor sentimento, o amor.

Falando de flores

Foto: Carlos Emerson Junior

Sou um completo analfabeto quando o assunto são flores mas sei muito bem que, como “modelos” para fotos, são imbatíveis! Flores são tão bonitas que nem precisam fazer pose. Nunca reclamam da nossa demora para “acertar” a câmera, não se mexem e algumas até nos presenteiam com um perfume gostoso e elegante. Decididamente, fotografar flores é Zen e se for em Nova Friburgo é o próprio Nirvana!

Foto: Carlos Emerson Junior