Cancelando uma assinatura

Foto: Congresso em Foco

Por uma série de motivos que nem preciso explicar, resolvi pedir o cancelamento da assinatura da edição digital do O Globo, um direito meu, uai. Pois muito bem. O primeiro obstáculo foi encontrar no site onde ou como fazer tal solicitação. Procura daqui, assunta dali, revira o Portal do Assinante e nada, nem um telefone sequer. Fui até a seção “ajuda” para ver se havia alguma dica e bingo, descobri um link que levava a um aviso que o pedido só seria possível por telefone, um do Rio de Janeiro e um 0800. Muito aqui entre nós, uma solução antipática, contrariando a orientação do Procon.

Liguei, tive que explicar o porquê da desistência da assinatura, citar uns três ou quatro artigos, colunistas ou editoriais que tinham me incomodado, ouvir detalhes de uma oferta para pagar R$ 1,60 durante três meses, confirmar todos os meus dados pessoais, informar meu telefone celular (eles já tinham o fixo) para só então ter meu pedido aceito e recebido um protocolo. Ah, sim, a mocinha avisou que o processo estava em andamento e em até 20 dias eu receberia uma ligação do jornal confirmando o cancelamento. Caramba, o Procon sabe disso?

Uns quinze dias depois o telefone fixo toca. Era uma funcionária do jornal querendo saber toda a história de novo, porque eu queria cancelar a assinatura, o que eu não gostava, que era um absurdo ficar sem o Globo e disparou um falatório atordoante, de onde, às vezes, ouvia coisas como “temos 97 colunistas”, “somos o melhor jornal do Rio e do Brasil”.

Mandei a moça parar e disse que aquilo que ela estava fazendo era assédio e que se não mudasse sua postura, eu ia gravar o restante da ligação e dar queixa dela e do jornal no órgão de defesa do consumidor mais próximo. Nossa, a jovem ficou furiosa e, para manter minha sanidade, avisei que esperava que aquela fosse a última ligação para mim. E bati o telefone, sem dó!

Ontem o fixo tocou novamente. Era outra pessoa querendo conversar comigo sobre minha assinatura. Respirei fundo pedi desculpas e dispensei, claro, paciência tem limites. Sou de uma geração que cresceu sem a presença do O Globo em casa. Meu pai lia o Correio da Manhã e o Jornal do Brasil. Várias vezes comentava que o jornal do Roberto Marinho não passava de uma Tribuna da Imprensa (que ele odiava) com roupa de noite. Vale registrar que a oferta de jornais nos anos 50 era grande, para todos os gostos, ideologias e até times de futebol.

A linha editorial do jornal mudou radicalmente após a morte do seu fundador, o Roberto Marinho. Nos últimos anos, gente com opiniões estranhas ou desconhecedores da realidade do Rio foram importados de sabe-se lá de onde e com qual critério. O pior mesmo, no entanto, são alguns editoriais, na linha do quanto pior,melhor ou apontando o dedo acusador para o desafeto da vez. Mas isso nem seria um problema. Já questionar meu direito de encerrar minha assinatura, é sim! Enfim, vida que segue, a assinatura está cancelada.

Ou não?

Descaso com animais usados para passeios em Nova Friburgo provoca onda de protestos na internet

Simone Candida (O Globo)

RIO – Num cenário que ainda é de reconstrução – com muita poeira, buracos e pouquíssimos turistas – os cavalos e jumentos que tradicionalmente eram usados para passeios no entorno da Praça do Suspiro, em Nova Friburgo, voltaram ao trabalho. No entanto, a cena dos animais expostos ao sol forte, diante de um bebedouro quebrado e cercados de escombros, anda causando revolta em alguns moradores e visitantes. Sensibilizado, o administrador de empresas friburguense Carlos Emerson Junior, de 60 anos, fotografou no último domingo um grupo de sete cavalos parados na pracinha e postou a imagem em seu blog. A foto foi compartilhada por amigos e protetores de animais no Facebook, causando uma onda de protestos na rede social.

– Estive lá e não gostei nada do que vi. O local onde os animais deveriam ter água corrente, ainda está semidestruído e com apenas um restinho de água suja da chuva. Isso é uma maldade. O trenzinho que levava os turistas para passear ainda não voltou, mas os animais foram obrigados a ficar lá. Para piorar, fui informado que a Coordenadoria do Bem Estar Animal, a quem eu poderia denunciar o que vi, não abre nos finais de semana. Ou seja: se você vê um caso assim tem que esperar até segunda-feira para denunciar – diz Carlos Emerson, que, diante da impossibilidade de achar um fiscal da prefeitura, decidiu fazer a denúncia em seu blog .

Procurada pelo GLOBO, a responsável pela Coordenadoria de Bem Estar Animal de Nova Friburgo (Coobea), Carla Freire, informou que, apesar de achar que ainda não era hora de os bichos voltarem, a prefeitura não pode impedir os proprietários de levarem os burricos e cavalinhos de volta ao ponto turístico. Mas, diante do grande número de reclamações, ela promete ir até lá no próximo final de semana para verificar as denúncias. Nova Friburgo foi a cidade da região serrana mais devastada pelas enxurradas ocorridas em janeiro.

Proprietária de um apartamento no Centro de Friburgo, a comerciante Ana Martha de Lima, de 45 anos, conta que esteve lá na semana passada e também ficou com muita dó dos cavalos:

– Eu costumo passar finais de semana lá e sempre me compadeci deles. Mas agora é ainda pior. É um absurdo. Não tinha nem turista na praça. Para que deixar aqueles animais lá, sofrendo com aquele sol ? – protestou.

A coordenadora da Coobea, Carla Freire admite que o órgão só faz atendimento ao público de segunda a sexta-feira, 11h30m às 17h30m, mas argumenta que todos na cidade conhecem seu telefone celular. O telefone do órgão é (22): 2522-1356. No finais de semana, a coordenadora atende no celular: 22- 9931-3313.

– Eu estive lá na semana anterior e não tinha visto isso. Mas vamos voltar lá e conversar com os donos dos cavalos.Temos consciência de que um cavalo precisa de beber no mínimo 40 litros de água por dia e, pelo que me falaram, eles estão sem água – comentou.

De acordo com Carla Freire, a situação precária dos animais de tração da Praça do Suspiro é uma preocupação da prefeitura, que em janeiro ia iniciar o cadastramento de todos os bichos e proprietários que fazem ponto na praça. A tragédia das enchentes, no entanto, justifica Carla Freire, atrasou o trabalho, que deve ser iniciado em breve. Ela promete fazer um levantamento dos animais e criar regras para o trabalho.

Em Paquetá, 40 cavalos utilizados em carroças de passeios vão receber chips de identificação. O objetivo é reduzir a taxa de abandono dos animais e responsabilizar os donos em caso de maus-tratos.

Publicada nos jornais O Globo e Extra, Rio de Janeiro, em 24 de março de 2011.

Foto: Carlos Emerson Jr.