O caso das senhas expostas

Google Imagens

E não é que de repente, do nada, o Google abriu uma janela pedindo para que eu revise 111 sites que acesso com uma senha que foi exposta. Não satisfeito, abre uma aba listando todos os infelizes, sugerindo que eu comece imediatamente. Caramba, deve ser grave, pensei com meus botões (apesar de estar vestindo uma blusa de moletom, sem nenhum botão…). Missão dada é missão cumprida, pensei lembrando os tempos de exército. Sem procrastinar, soldado!

Devo ter acessado a grande maioria dos sites citados na época que a internet era conectada pelo telefone, um serviço tão ruim, lento, inseguro e instável que fiz questão de apagar do meu banco de memórias. Pois é… E aí o Google resolve reativar antigas e obscuras sensações. Eu, heim! Mas voltando à vaca fria (isso existe?), cerca de 80% dos locais onde as senhas foram acessadas, não existem mais, talvez apenas nas centrais de dados da gigantesca buscadora.

Salvei a listagem e resolvi deixar a pesquisa para um fim de semana chuvoso e frio. A ideia é entrar nos sites que ainda existem e, se for o caso, cancelar minha conta. Um trabalhão só, mas vale a troca, os jogos do Botafogo não tem sido motivo para nenhuma emoção ou torcida. Aliás, talvez o Google, que tudo vê e tudo sabe (e olha que não é nenhuma divindade), esteja me dando uma oportunidade de “melhorar” meu humor e me “divertir” um pouco.

Pelo menos na cabeça dos seus processadores.