Os vagalumes ainda estão aqui

Foto: Carlos Emerson Jr.

No último dia 15 de novembro completaram-se dois anos de nossa mudança definitiva da cidade do Rio para Nova Friburgo. A adaptação foi rápida e parece que já moramos a vida inteira aqui na serra. Descobrimos que nosso apartamento, comprado ainda na planta a quase vinte e quatro anos, é um dos poucos que se manteve original. Também, pudera, só era usado nos feriados e algumas férias mais prolongadas. Hoje, abriga sua família, mas visivelmente precisa de reformas nos banheiros, pintura nos quartos, estofamentos novos na sala.

Ah, sim, qualquer hora dessas vou testar a lareira, desativada já tem tempo, quando descobrimos porque fuligem e fumaça nunca são lembrados quando o pessoal elogia o charme desse sistema de aquecimento que vem acompanhando a humanidade desde…. A descoberta do fogo?

Na cozinha a situação pede mais cuidado. A máquina de lavar, que não era nenhuma Brastemp mas segurou a barra esse tempo todo, não resistiu ao uso diário e faleceu. Em seu lugar entrou uma Brastemp legítima, é claro. O microondas, um velho Panasonic cansado de guerras, também cansou e, apesar do lado afetivo (pipocas e filmes na TV com as filhas pequenas), teve seu merecido repouso. A geladeira e o fogão devem ir pelo mesmo caminho, mas por enquanto, seguram a barra com galhardia!

Temos dois bons closets e um porão enorme. E é aí, coitado, atulhado de caixas de todos os tipos, origens e documentos possíveis, que está o nosso maior desafio. Temos que abrir pacote por pacote, estudar documento por documento e imbuir a alma do mesmo sentimento que tivemos quando saímos do Rio, um desapêgo brutal. A essa altura, com mais de vinte anos, não temos a menor idéia do que tem ali dentro e fico com a sensação que de útil mesmo, vamos aproveitar uma ou duas caixas.

A parte elétrica está ok e, como agora tenho um escritório em casa para chamar de meu e de escritório mesmo, atualizei a conexão à rede pelo sistema de fibra ótica, ligado diretamente na operadora do serviço. Melhorou mil por cento e a internet só cai quando falta luz que, por sinal, evoluiu. Bastava chover, ventar ou cair raios que apagava tudo. Agora, só quando tem tempestade de raios.

Foi bom voltar a conviver com quadros, pratos ornamentais (é isso mesmo?) e demais enfeites que espalhamos ao longo desses anos pela nossa casa. Ainda estão bonitos e cada um tem uma história. Um ótimo marceneiro salvou o estrado de nossa cama de casal. Falta só trocar o colchão por um mais moderno para ficar ok. Pois é, estou notando que falei muito e não disse nada sobre Nova Friburgo, não é mesmo? Peço perdão, mas casa da gente é muito bom. E olha que nem contei como está bonito o bosque que separa os chalés, o silêncio das noites, os passarinhos que vem conversar na jardineira do quarto todos os dias, bem cedinho.

Mas o melhor de tudo aconteceu na semana passada, numa dessas faltas de luz generalizadas: no escuro, percebemos que ainda existem vagalumes, muitos vagalumes por aqui. Quase chorei de emoção.